quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Tiras de segunda 5

Sei que a questão da Bolívia é um assunto relativamente batido, mas acho que as 2 tiras de hoje (que devem ser as últimas com postagem dupla, pro arquivo não acabar tão rápido) são interessantes para pensarmos em como reagimos quando o “inimigo” é o país mais pobre da América Latina, se de forma igual, ou diferente de quando é um “inimigo” mais poderoso como os EUA? Anti-americanismos a parte, você como reage?
Ainda sobre a Bolívia vale o ótimo artigo do escritor e poeta Eduardo Galeano (aqui)





Obs de sempre: clique nas imagens que dá pra ver melhor.


6 comentários:

Thiagokoutzii@hotmail.com disse...

o Brasil passa por um momento curioso, galgando espaço no mundo (ONU,G8, combate ao aquecimento global)e algumas gigantes nacionais se espalhando pela américa latrina... ambev, petrobrás, balducco, itau, bradesco...
ao mesmo tempo, daqui de dentro é dificil achar rastro de imperialismo tupiniquim...quando o vemos, parece que os outros que são loucos, ufanistas e ditadores. mas nós não, nós somos os fracos, indefesos, ,injustiçados e se não fossem os eua e os portugueses nos explorando, seriamos mais desenvolvidos...kkkk escuto isso toda segunda, mas sobre futebol...
só acho q a parte que esta dando certo é muito pequena, competente de fato (não significa honesta), mas diminuta... mas não diminuta o suficiente para deixar de fazer estragos diplomáticos com vizinhos..

Amanda Gabriella disse...

ouxi! eu tava falando hoje sobre isso..
quando as pessoas vão desencanar de portugal e olhar pra frente? O Brasil tem dinheiro suficiente pra crescer muito mais. Só faltam políticas sérias.

E sobre a política externa..
O Brasil deve ter cuidados tanto com os países ricos quanto com os mais pobres. Dependemos de boas relações com os dois tipos de economia.

Tarso Loureiro disse...

Amanda:
cuidado com soluções simplistas. O Brasil tem condições de ser um país decente, isso não tenho dúvida, mas depende de muito mais coisa além de políticas sérias. Precisa de cidadãos que não atravessem o sinal vermelho, que paguem TODOS os seus impostos, que receba e pague multas de trânsito, que menores de idade não comprem bebidas alcoólicas, nem entrem em baladas onde teoricamente não podem, e uma série enorme de outras coisas que podem ser traduzidas assim: depende, sobretudo de nós!

E Bus, nosso imperialismo é antiquíssimo. Tá no Hino "gigante pela própria natureza"; na anexação do Acre, no tratado de tordesilhas; na guerra do paraguai, na província cisplatina...

Amanda Gabriella disse...

Concordo!
É que pra mim já está implícito de que cada deve fazer a sua parte. Falta educação.

..
É como diz Raul Seixas, a "Lei do Forte". Vivemos reclamando das barreiras que os outros países impõem sobre o nosso, mas fazemos a mesma coisa. É um passando por cima do outro.
foda.

Thiagokoutzii@hotmail.com disse...

de fato, mas agora o império se faz sem anexar territórios, apenas impondo suas demandas a eles. talvez ssa seja apenas uma nnova forma, e não uma nova essência como eu disse. mas é fato que nunca haviamos colocado bandeiras da petrobras (faixas verdes e amarelas) pelo aeroporto argentino, nem um itau piscando gigante no centro de buenos ayres, a balducco comprando os direitos do alfajor habana, a ambev levando a quilmes e lançando a bramah, itaipú, etc....
mas pode ser apenas adequação dos tempos...
nunca tinha visto ou assimilado o imperialismo tão de perto... veremos onde chegaremos!
ab

Amanda Gabriella disse...

manda quem tem dinheiro.