segunda-feira, 8 de setembro de 2008

EM 5 OU 6 ANOS...

Do blog do C.A. Sardenberg

Então ficamos assim: hoje, falta gás se não chover ou se o presidente Evo Morales engrossar com o Brasil. Mas daqui a cinco, seis anos, estaremos estufados de gás, dando bananas para a Bolívia.
Hoje, o Brasil ainda é deficitário no comércio externo de petróleo, combustíveis e lubrificantes; mas daqui a cinco, seis anos o país será grande exportador líquido e cartola na Opep.

Hoje, há risco de faltar energia elétrica; mas daqui a cinco, seis anos, vai sobrar.

Hoje, os preços de energia estão subindo, já que o produto é escasso, mas daqui a cinco, seis anos ....

Esse é o discurso do governo Lula no momento. A reação aos “probleminhas” atuais é uma fuga para o futuro. Trata-se de óbvia estratégia de mídia – e o presidente Lula é um craque nisso – mas é preciso admitir que tem fundamento real.

Há projetos nos diversos setores que, se realizados conforme as melhores expectativas, de fato produzirão uma situação energética confortável no futuro. Isso remete o debate ao ponto mais importante: quais as chances desses projetos serem realizados a tempo?

(Esse é o tema de minha coluna no Estadão de segunda-feira, que mais tarde estará no meu site, www.sardenberg.com.br)

3 comentários:

Tarso Loureiro disse...

O sardenberg é bom, fala na cbn e tal, mas brasil na opep? não creio. o brasil tem um perfil mais latino na política externa, é bom nem entrar até pra contrapor ao cartel.
de qqr forma, queridos jovens, se for verdade, o brasil deve crescer uns 4, 5% ao ano (na média) por uns bons 25 anos, como em meados do século XX. Isso significa que vcs podem fazer o que quiserem que a grana vai rolar pra todo mundo que vive da classe média baixa pra cima. o restante da população? ora, alguém tem que produzir essa riqueza a granel não é mesmo?

capitão disse...

as vezes eu tenho medo de todo esse potencial energetico do brasil... e dessa administração amadora...



"o restante da população? ora, alguém tem que produzir essa riqueza a granel não é mesmo?"


uahuahuahuahauhauhauhauahuahau;;;
gostei...

Tarso Loureiro disse...

É capitão, tem que rir pra não chorar. E vale lembrar que a história ensina que quando a elite aperta demais o andar de baixo e esbaja riqueza, o resultado são violentas revoltas e significativas transformações sociais.
O cenário, promissor para nós no "curto" prazo é aterador para centenas de milhões de pessoas, codenados a miséria, exploração, violência e dominação simbólica e muitas vezes físicas, etc.
Como dormir com um barulho desses? Ora, como todos nós fazemos, comprando janelas anti-ruídos para nossas consciências e satisfazendo pequenos desejos egocêntricos e prazeres da carne sempre que possível.
abço